As placas tectônicas recém-descobertas que podem explicar terremotos misteriosos no Pacífico

Posted Mayo 27, 2017 11:02 am by

As placas tectônicas recém-descobertas que podem explicar terremotos misteriosos no Pacífico
As placas tectônicas recém-descobertas que podem explicar terremotos misteriosos no Pacífico
Rate this post
    <figure class="media-landscape has-caption full-width lead"><span class="image-and-copyright-container">
<img class="js-image-replace" alt="Ilha em Tonga" src="https://noticiasdehoy.co/wp-content/plugins/RSSPoster_PRO/cache/e9776__96208672_hi026283485.jpg" width="976" height="549" /><span class="off-screen">Direito de imagem</span>
<span class="story-image-copyright">CNES </span>
</span>
<figcaption class="media-caption"><span class="off-screen">Image caption</span>
<span class="media-caption__text">
Nova camada de placas tectônicas foi descoberta abaixo de Tonga, no Pacífico
</span>
</figcaption></figure><p class="story-body__introduction">Dentro do manto terrestre, uma imensa camada rochosa que fica entre a crosta e o núcleo da Terra, há uma nova camada de placas tectônicas, diz um novo estudo da Universidade de Houston, no Texas.</p>

E esse achado, dizem os autores da pesquisa apresentada nesta semana em uma conferência no Japão, explicaria uma série de terremotos misteriosos ocorridos no Pacífico entre 1946 e 1996.

Graças a uma técnica de mapeamento 3D, Jonny Wu e a sua equipe descobriram essa camada de placas submetidas a um processo de subduccção (pelo qual a borda de uma placa desliza sob a borda da outra) há milhões de anos.

  • O que são os estranhos clarões vistos na Terra a partir do espaço
  • Pesquisa revela o segredo dos flamingos para ficar parados em uma perna só

Essa camada foi encontrada abaixo do arquipélago de Tonga, no Pacífico, uma região onde são produzidos os terremotos mais profundos do planeta.

“Basicamente, 90% da atividade sísmica superprofunda (a mais de 500 km de profundidade) ocorre na área de Tonga, que é onde nós encontramos este novo bloco”, disse Wu.

Comportamento parecido

Por mais de meio século, sabe-se que os continentes deslizam sobre a superfície do planeta.

Como parte desse processo, o fundo do oceano se abre e deixa escapar magma do manto.

Mas o oposto também pode ocorrer: é quando as placas colidem causando tremores de terra, cadeias montanhosas e vulcões.

             <span class="off-screen">Direito de imagem</span>
<span class="story-image-copyright">Getty Images</span>
</span>
<figcaption class="media-caption"><span class="off-screen">Image caption</span>
<span class="media-caption__text">
Durante um processo de subducção, a borda de uma placa é inserida sob a borda da outra
</span>
</figcaption></figure><p>Quando convergem, as placas afundam-se no manto, dando lugar ao que é chamado de subduccção (quando a borda de uma fica abaixo da borda outra). Isso faz com que uma das duas placas seja empurrada em direção ao manto, onde continua afundando até o núcleo da terra. 

As placas descobertas por Wu foram submetidas a um processo de subducção há 50 ou 60 milhões de anos, e agora são mantidos a uma profundidade de entre 440 e 660 quilômetros, na chamada zona de transição.

  • Nada de cremação ou enterro: opção por dissolver corpo após a morte ganha adeptos

No entanto, em vez de afundar até o núcleo, elas se comportam de forma muito semelhante à das placas tectônicas da superfície: movem-se milhares de quilômetros horizontalmente, a uma velocidade parecida. E a energia liberada pela colisão também pode gerar terremotos.

Mistério resolvido

De acordo com os pesquisadores, o movimento dessas placas poderia explicar os misteriosos tremores de terra conhecidos como os terremotos de Vityaz, que se originaram no manto entre as ilhas Fiji e a Austrália.

Esses sismos, diz Wu, poderiam ser o resultado do deslizamento de uma placa que sofreu subducção dentro da zona de transição.

O cientista explica que os resultados da pesquisa são preliminares e ainda têm de ser submetidos a uma análise crítica por outros cientistas.